Madre Teresa Grillo Michel

“Que cada uma das filhas da Divina Providência se glorie de ser uma fonte de água
em meio do caminho, onde todos possam alcançar socorro a toda hora”.
(Madre Teresa Grillo Michel)

Teresa Grillo nasceu em Spinetta Marengo, na província de Alexandria, Itália, em 25 de setembro de 1855. Quinta e última filha de Giuseppe, chefe do Hospital Civil de Alexandria, e de Maria Antonietta Parvopassu, descendente de uma antiga e ilustre família alexandrina. Foi batizada no dia seguinte, na igreja paroquial de Spinetta, recebendo também o nome de Maddalena. Dotada de um temperamento inclinado à caridade, alimentado também por um clima familiar rico em espírito cristão, em 1 de outubro de 1867 recebeu a Crisma na Catedral de Alexandria e cinco anos depois, ainda no colégio, a primeira comunhão. Em 1867.

Após a morte de seu pai, ela foi colocada como estudante interna no College of English Ladies em Lodi, onde se formou aos 18 anos. Deixando o colégio, regressou a Alexandria, onde, sempre sob a orientação materna, passou a frequentar as famílias aristocráticas da cidade. Foi nesse ambiente que conheceu seu futuro marido, o culto e brilhante capitão dos Bersaglieri, Giovanni Michel. Casaram-se em 2 de agosto de 1877, mudou-se com o marido primeiro para Caserta, depois para Arcireale, Catania, Portici e finalmente para Nápoles. Com a morte de seu marido, atingido por uma insolação durante um desfile em Nápoles, em 13 de junho de 1891, Teresa mergulhou em uma angústia sombria que beirava o desespero. A recuperação quase repentina, também devido à leitura da vida de São José Cottolengo e a ajuda de seu primo sacerdote, o arcebispo Prelli, resultou na escolha de abraçar a causa dos pobres e necessitados. Teresa começou assim a abrir as portas de seu “Palazzo” a crianças pobres e a pessoas abandonadas e necessitadas. No final de 1893, vendo que “os pobres aumentavam ao máximo e gostaríamos de poder abrir os braços para acolher tantos sob as asas da Divina Providência”, vendeu o “Palazzo Michel” e comprou um antigo prédio em Via Faà di Bruno. No novo local, ela começou as obras de reforma e ampliação, construindo um andar superior e comprando alguns locais próximos. Assim surgiu o “Pequeno Refúgio da Divina Providência”.

O trabalho iniciado por Teresa certamente não foi isento de adversidades que vieram não só das autoridades, mas sobretudo de amigos e familiares. Foi justamente na incompreensão que se evidenciou a solidariedade e o afeto dos pobres, generosos e colaboradores. A pedido da Autoridade Eclesiástica, em 8 de janeiro de 1899, vestindo o hábito religioso na Capela do Abrigo, Teresa Grillo, com oito de suas colaboradoras, deu origem à Congregação das Pequenas Irmãs da Divina Providência. Nos 45 anos restantes, sua principal preocupação foi difundir e consolidar o Instituto. Imediatamente após sua fundação, de fato, a Obra começou a ter casas em vários lugares do Piemonte. Logo expandiu-se também para as regiões de Veneto, Lombardia, Liguria, Puglia e Basilicata. A partir de 13 de junho de 1900 o Instituto estendeu-se ao Brasil e a partir de 1927, a pedido do Beato Luís Orione, fundou casas também na Argentina. Sem se poupar, Teresa animou e encorajou suas irmãs com sua presença solícita e carismática nas comunidades.

Por seis vezes atravessou o Oceano Atlântico, atividade difícil e arriscada naquela época, para chegar à América Latina, onde, pela sua solicitude, floresceram numerosas fundações com creches, orfanatos, escolas, hospitais e abrigos para idosos. A sexta viagem foi realizada em 1928, aos 73 anos. Em 8 de junho de 1942, a Santa Sé concedeu a Aprovação Apostólica à Congregação das Irmãzinhas da Divina Providência.

A Beata Teresa Grillo Michel morreu em Alexandria em 25 de janeiro de 1944, aos 89 anos. Seu Instituto tinha 25 casas na Itália, 19 no Brasil e 7 na Argentina. Hoje a Congregação também chegou à Ásia (Índia) com três comunidades. Com o Processo de Informação, em 16 de abril de 1953, foi iniciada a Causa de Canonização por iniciativa do Bispo de Alexandria, Dom Giuseppe Gagnor. Em 2 de julho de 1963, iniciou-se o Processo Apostólico. Em 6 de julho de 1985, o Santo Padre João Paulo II decretou o caráter heroico de suas virtudes, declarando-a Venerável. Em 18 de dezembro de 1997 o Papa aprovou o decreto para a elevação às honras dos altares, reconhecendo o milagre que abriu caminho para a beatificação. O espírito da Beata Teresa Grillo Michel para com os indigentes persiste particularmente na Obra das suas Filhas Espirituais, às quais repetia: “Continuarei a invocar a abundância do Espírito que deve distinguir a Irmãzinha da Divina Providência: um espírito de confiança verdadeiramente heroico, nesta admirável emanação da Divina Bondade, pois devemos estar totalmente e a cada hora à mercê do seu socorro providencial”. Sua Santidade João Paulo II, por ocasião da Exposição do Sudário, a beatificou em Turim em 24 de maio de 1998.